IOF – Entenda o que é e qual a porcentagem cobrada

Embora os brasileiros tenham que enfrentar uma carga tributária elevada, poucos sabem quais são os impostos cobrados, incluindo o IOF.

Anúncios

No ano de 2021, foi necessário trabalhar até o dia 29 de maio somente para pagar os tributos como as contribuições, taxas e impostos que são exigidos pelos governos municipal, estadual e federal.

O dado acima foi obtido em um estudo que aponta os dias trabalhados para pagar tributos, do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT).

Em outras palavras, a tributação, quanto ao consumo, patrimônio e renda, levando-se em conta o rendimento médio brasileiro, está atualmente em 40,82%.

Portanto, de fato temos uma carga tributária altíssima, sendo necessário entender como cada imposto funciona e qual o valor cobrado.

O que é a taxa de IOF? 

IOF é a sigla para “Imposto sobre Operações Financeiras” que foi criado no ano de 1966 com o intuito de substituir o Imposto sobre transferência para o exterior.

Anúncios

Portanto, no começo o imposto era cobrado sobre transferências financeiras, sejam elas internacionais ou nacionais.

No entanto, a partir da década de 80, o imposto passou a incidir sobre as operações de crédito, seguros, câmbio, valores mobiliários e títulos.

Em outras palavras, é necessário pagar o imposto quando você compra dólares para viajar, faz um empréstimo, realiza saques, investe, dentre outros.

Para que serve o imposto?

O IOF é uma fonte de arrecadação do governo.

E tendo em vista que é aplicado em diversas operações financeiras, o imposto serve como um indicador para a economia.

Isto é, quanto maior o valor arrecadado, mais operações ocorreram, nos dando uma ideia de como a economia está aquecida.

Por funcionar como um “indicador”, o imposto também ajuda nos reajustes.

Por exemplo, um dos reajustes ocorreu no ano de 2020, em que houve a suspensão da cobrança a fim de facilitar o acesso ao crédito durante a pandemia da COVID-19.

No mesmo ano, o IOF passou a ser cobrado somente em novembro para isentar a conta de luz no Amapá devido ao apagão que durou 20 dias.

Já no final do ano de 2021, houve um aumento no imposto, impactando diretamente as operações feitas com cartão de crédito, empréstimo para empresas, crédito pessoal e cheque especial.

Caso queira entender como o aumento do imposto afeta as suas finanças, confira este conteúdo.

Em que situações se paga IOF e qual a porcentagem?

A porcentagem varia conforme o tipo de operação financeira:

Em primeiro lugar, para as operações de câmbio como a compra de dólar para viajar ao exterior, o valor cobrado é de 1,1%.

Com relação às compras internacionais, o imposto é de 6,38%.

Para exemplificar, caso você faça uma compra de R $1.000, deve pagar R $63,80 a mais, referente ao imposto.

Além disso, vale falar sobre o custo de empréstimos e financiamentos: 0,38%.

Ainda nesta operação, existe o acréscimo de 0,0082% diariamente, conforme o prazo total previsto para quitar a dívida, com limite de 3%.

Por isso, ao solicitar um empréstimo ou fazer um financiamento, fique atento ao Custo Efetivo Total (CET).

0,38% será cobrado, em média, no seguro de vida e 7,38% para o seguro de carros.

No entanto, é importante ficar atento a todas as condições na hora de contratar porque no caso dos seguros, o valor é variável e o teto da alíquota é de 25%.

E quanto ao cheque especial e crédito rotativo, paga-se 0,38% de IOF, além da cobrança de 0,0082% por dia caso haja algum tipo de atraso no pagamento.

Assim, quanto mais tempo você demorar para quitar a dívida, maior a quantidade de imposto pago, sendo que o limite é de até 3%.

Por fim, vale falar que a cobrança do imposto nos investimentos como títulos do Tesouro Direto e Letras de Câmbio (LC) e CDBs (Certificados de Depósitos Bancários), ocorre somente quando o valor é retirado dos títulos antes de 30 dias após a aplicação.  

Nesse sentido, quanto antes o valor for retirado, maior a porcentagem do imposto.

Por exemplo, se o dinheiro é retirado 1 dia depois do investimento, é possível que 96% seja comprometido. 

E se for resgatado 29 dias depois, é comum que seja cobrado até 3%.

Como evitar a cobrança do imposto? 

Com relação ao cheque especial, evite prolongar o uso.

O mesmo vale para o rotativo do cartão de crédito: deixe de pagar somente o mínimo da fatura porque quando isso é feito, o IOF aumenta o valor da dívida para o próximo mês, gerando uma bola de neve.

Além disso, o imposto cobrado em compras no exterior não pode ser evitado.

A única alternativa neste caso é priorizar as lojas brasileiras no momento de comprar no ambiente digital.

Já no caso do Tesouro Direto e CDB, deixe o valor investido por mais de 30 dias para evitar a cobrança do imposto.

Escrito por Luciana Sampaio

Entusiasta de novas tecnologias e da escrita, encontrou no Jornal útil a oportunidade de escrever sobre temas do seu interesse que englobam o mercado financeiro.