Boeing 737 Max: Trabalhador disse que avião foi ‘projetado por palhaços’

0
91

O lançamento de um lote de mensagens internas levantou mais questões sobre a segurança do 737 Max da Boeing.

Em uma das comunicações, um funcionário disse que o avião foi “projetado por palhaços”.

O fabricante de aviões descreveu as comunicações como “completamente inaceitáveis”.

O 737 Max foi aterrado em março de 2019 após dois acidentes fatais na Indonésia e na Etiópia, que mataram quase 350 pessoas no total.

A Boeing afirmou ter divulgado centenas de mensagens editadas como parte de seu compromisso com a transparência.

A Administração Federal de Aviação (FAA) e o Congresso dos EUA receberam versões não reduzidas das comunicações no mês passado.

“Essas comunicações não refletem a empresa que somos e precisamos ser, e são completamente inaceitáveis”, afirmou a Boeing.

Resposta do simulador
Um funcionário sem nome escreveu em uma troca de mensagens instantâneas em abril de 2017: “Este avião foi projetado por palhaços que, por sua vez, são supervisionados por macacos”.

Os documentos, publicados pelo Washington Post , parecem mostrar que a Boeing rejeitou os pilotos que estavam sendo treinados em simuladores, o que levaria a custos mais altos para seus clientes, tornando sua aeronave menos atraente.

“Quero enfatizar a importância de manter firme que não haverá nenhum tipo de treinamento em simulador necessário para fazer a transição do NG para o Max”, disse Mark Forkner, piloto-chefe técnico da Boeing 737 na época, em um email de março de 2017.

“A Boeing não permitirá que isso aconteça. Vamos ficar cara a cara com qualquer regulador que tentar fazer disso uma exigência”.

Na terça-feira desta semana, a Boeing reverteu sua posição recomendando o treinamento em simulador 737 Max para todos os pilotos.

ssas mensagens se referem aos funcionários da Boeing dizendo mentiras, encobrindo problemas e tratando os reguladores com desprezo.

Eles reforçam a impressão – já expressada vividamente pelos denunciantes e nas audiências do Congresso – de que a Boeing era uma empresa que se perdeu, concentrada em maximizar a produção e manter os custos baixos, em vez de segurança.

Os e-mails do principal piloto técnico da empresa mostram como a empresa estava determinada a manter os requisitos de treinamento em um nível mínimo, para os pilotos acostumados à geração anterior do 737 Max e para impedir que eles passassem mais tempo em um simulador de vôo.

Eles mostram como a Boeing estava pronta para enfrentar todos os órgãos reguladores que pensassem o contrário.

Minutos de uma reunião até ilustram como a Boeing foi cuidadosa em suas comunicações sobre o MCAS – o sistema de controle de voo implicado nos dois acidentes.

Eles parecem ter tentado esconder o fato de que era um novo sistema, para minimizar as demandas por treinamento extra.

Tudo isso realmente prejudicará a Boeing? É questionável.

A reputação da empresa já foi ferida; pode estar calculando que agora há pouco a perder por ser transparente com relação às falhas do passado.

Mas agora é fácil ver por que o relacionamento entre a Boeing e a Administração Federal de Aviação se deteriorou até agora – e por que a recertificação do 737 Max levou tanto tempo.

Outra mensagem, datada de novembro de 2015, parece mostrar que a empresa fez lobby contra os pedidos do regulador da aviação por um certo aspecto do treinamento em simuladores.

“Vamos nos esforçar muito para isso e provavelmente precisaremos de apoio nos níveis mais altos quando chegar a hora da negociação final”, disse a mensagem.

Os documentos também parecem mostrar problemas com os simuladores em discussão.

Em fevereiro de 2018, um funcionário da Boeing perguntou a um colega: “Você colocaria sua família em uma aeronave treinada no simulador Max? Eu não.”

“Não”, veio a resposta.

‘Encobrindo’
Em outros e-mails e mensagens instantâneas, os funcionários falaram de sua frustração com a cultura da empresa, reclamando da busca por fornecedores mais baratos e “horários impossíveis”.

“Não sei como consertar essas coisas … é sistêmico. É cultura. É o fato de termos uma equipe de liderança sênior que entende muito pouco sobre os negócios e ainda está nos levando a determinados objetivos”, disse um funcionário da empresa. um e-mail datado de junho de 2018.

E em uma mensagem de maio de 2018, um funcionário não identificado da Boeing disse: “Eu ainda não fui perdoado por Deus pela cobertura que fiz no ano passado”.

Sem citar o que foi encoberto, o funcionário acrescentou: “Não é possível fazê-lo mais uma vez, os portões perolados serão fechados”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here