Protestos no Iraque: 40 mortos

0
63

Pelo menos 40 pessoas morreram no Iraque durante uma nova onda de protestos antigovernamentais que caíram em violência.

Dois dos mortos foram atingidos por bombas de gás lacrimogêneo disparadas por forças de segurança na capital Bagdá.

Relatos dizem que metade das vítimas foram mortas enquanto tentavam invadir os escritórios de grupos de milícias e do governo.

Os manifestantes estão exigindo mais empregos, melhores serviços públicos e o fim da corrupção.

Cerca de 2.000 pessoas foram feridas em protestos em todo o país, afirmou uma fonte de segurança.

Protestos semelhantes no início deste mês foram brutalmente reprimidos pelas forças de segurança, deixando quase 150 pessoas mortas.

Um relatório do governo reconheceu que as autoridades usaram força excessiva para reprimir essa agitação.

Antes dos protestos mais recentes, os principais clérigos do Iraque e as Nações Unidas emitiram pedidos de contenção.

Um dia antes, o primeiro-ministro Adel Abdul Mahdi, que assumiu o cargo há um ano na sexta-feira, alertou os manifestantes que a violência não seria tolerada.

Ele prometeu uma remodelação do gabinete e um pacote de reformas para atender às demandas dos manifestantes, mas muitos ainda não estão convencidos.

O que há de mais recente?
Centenas de manifestantes se reuniram na Praça Tahrir de Bagdá na manhã de sexta-feira.

Quando alguns tentaram entrar na Zona Verde, onde ficam os prédios do governo, as forças de segurança usaram gás lacrimogêneo para levá-los de volta.

Fontes policiais e médicas disseram à agência de notícias Reuters que dois manifestantes morreram em Bagdá depois de serem atingidos por bombas de gás lacrimogêneo.

Imagens de Bagdá mostram pelo menos uma pessoa, aparentemente atingida por um cartucho, imóvel na rua.

Doze morreram enquanto atearam fogo à sede de uma força paramilitar na cidade de Diwaniyah, no sul do país, disseram fontes de segurança à AFP.

Não há confirmação oficial dos números. O Ministério do Interior iraquiano disse que 68 membros das forças de segurança ficaram feridos em todo o país.

O manuseio do governo pelos protestos este mês alimentou descontentamento em todo o Iraque, com líderes políticos enfrentando pedidos de demissão.

“Não estamos com fome, queremos dignidade”, gritou um manifestante. Outro disse que os políticos do Iraque “monopolizaram todos os recursos”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here