Cálculo Salário Líquido – Saiba como fazer passo a passo

Entender como se faz o cálculo salário líquido é uma questão que incomoda muitas pessoas e, talvez você seja uma delas. Apesar de você encontrar meios digitais que podem fazer isso, ter uma noção mínima de como fazer é, no mínimo, uma boa ideia.

Anúncios

Portanto, para aprender um passo a passo simples, sobre como funciona o cálculo, continue essa leitura até o final.


O que é o salário líquido?

Primeiramente, é importante definir o que é o salário líquido para que tudo o que você lerá faça um sentido fechado. Porém, isso se dá, pela confusão que muitas pessoas fazem sobre o que compõem esse tipo de cálculo.

Portanto, a definição básica do que é salário líquido é: valor disponível para o assalariado depois que os descontos legais são deduzidos da sua remuneração mensal total (ou não), chamado de salário bruto, registrada na Carteira de Trabalho.

No entanto, essa informação gera uma dúvida muito sincera no trabalhador: porque as empresas não informam ambos os valores, o salário bruto e líquido, para que você, funcionário, saiba exatamente quanto vai receber?

A resposta é simples, mas não muito explicativa. Basicamente, os descontos obrigatórios são considerados um benefício e uma obrigação do cidadão, portanto, são expostos desta forma.

Anúncios

Contudo, também é importante que você leve em consideração que os descontos optativos, aqueles que derivam de serviços consumidos por você – como vale-transporte, plano de saúde e etc – são incluídos nesse valor final, mesmo não sendo expostos inicialmente.


Como fazer o cálculo do salário líquido

O seu cálculo do salário líquido não possui regras simples e isso pode confundir um pouco o trabalhador, ou seja, você, na hora de colocar tudo na ponta do lápis. Entretanto, seguir algumas dicas pode ajudar muito.

Portanto, com apenas alguns cuidados e informações sobre sua condição, o seu salário bruto e dependentes, por exemplo, você terá tudo o que é preciso para chegar até o valor líquido que está buscando.

Primeiramente, separe o valor total que você recebe, o seu salário bruto – aquele que seu empregador te paga integralmente, oferecido a você na hora da contratação e confirmado pelo Recursos Humanos da empresa.

O passo seguinte é se atentar ao número de dependentes. Esse ponto é importante, por influenciar o seu Imposto de Renda (o IR) que é retido na fonte.

O mesmo vale para outros impostos importantes, como o INSS e aqueles derivados a serviços que você usa, como assistência médica, previdência privada, vale transporte e etc.

Some tudo isso e subtraia do valor total do seu salário bruto e, então, você terá o resultado que deseja: seu salário líquido.

Entretanto, há algo que você precisa se atentar. INSS e IR possuem tabelas específicas que funcionam como indicadores de quanto desconto você terá, portanto, dependendo do valor do seu salário bruto, você poderá ter descontos maiores ou menores.


Descontos no cálculo do salário líquido

Como você já viu anteriormente, o cálculo do salário líquido é baseado no salário bruto, para aqueles que possuem carteira assinada. Portanto, sabe que os descontos base são:

  • Previdência Social (através do INSS)
  • Imposto de Renda (IR)

Eles são obrigatórios e comuns a todos, seja você um funcionário da base da empresa onde trabalha, seja você um dos diretores dela. No entanto, há um detalhe importante: sempre calcule o valor da Previdência Social antes do valor do seu Imposto de Renda.

Apesar de você já ter uma certa ideia de como fazer esse cálculo, por ele ser bem tranquilo quando se sabe os itens a adicionar na equação, há divergências derivadas do valor bruto do salário, e é isto que você vai ver agora.


INSS, contribuição previdenciária

De caráter obrigatório, esse tipo de desconto de origem previdenciária, (diretamente através do INSS) que é deduzido do seu salário bruto registrado na CLT. Com essa dedução, você está garantindo alguns benefícios como:

  • Aposentadoria;
  • Pensão para dependentes;
  • Salário maternidade;
  • Auxílio doença.

Este valor pode ser reajustado anualmente e varia de acordo com o seu salário bruto, no entanto, nunca haverá uma perda real de valor, quando essa mudança acontece. Você sempre terminará com um valor superior ao anterior.

Os valores tabelados de acordo com o valor do seu salário bruto – a tabela com a alíquota base de cálculo da contribuição ao INSS por faixa salarial, como é conhecida – é:

  1. até 1.212,00 possui a alíquota de 7,5%
  2. de 1.212,01 até 2.427,35 possui a alíquota de 9%
  3. entre 2.427,36 até 3.641,03 possui a alíquota de 12%
  4. de 3.641,04 até 7.087,22 possui a alíquota de 14%

Imposto de renda

Outro decréscimo obrigatório, o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF), ou apenas IR, deve ser adicionado ao cálculo do salário líquido sempre após o anterior, o do INSS. Isso se dá, pois o precisa ser feito com o desconto no valor total já contabilizado.

Portanto, após esse primeiro decréscimo e, um adicional por dependente de R$189,59 diretamente do salário bruto, o IRRF é descontado do salário bruto segundo a tabela de alíquotas divulgada pela Receita Federal.

A tabela do IRRF não é atualizada desde 2015, no entanto, ainda é utilizada e deve ser usada como base:

  1. Até R$1.903,98, você está isento
  2. De R$1.903,99 até R$2.826,65, você deve descontar 7,5%
  3. Entre R$2.826,66 até R$3.751,05, você deve descontar 15%
  4. De R$3.751,06 até R$4.664,68, você deve descontar 22,5%
  5. Acima de R$4.664,68, você deve descontar 27,5%

Entretanto, é bem interessante a informação de que o imposto de renda debitado diretamente da fonte do seu salário bruto, não representa o valor total que você deverá pagar aos cofres públicos. Fique atento a esse detalhe.


Demais descontos

Contudo, além dos obrigatórios descontos, há aqueles que entram no cálculo do salário líquido de forma periódica, representando serviços privados ou empréstimos que você pode vir a fazer uso durante o mês.

  • Vale-transporte;
  • Assistência médica;
  • Previdência Privada;
  • Contribuição sindical;
  • Empréstimo Consignado;
  • Alimentação.

Como são descontos optativos – você só os terá se usufruir de algum desses serviços – eles não serão cobrados caso você não os tenha usado. No caso dos empréstimos consignados, no entanto, assim como faltas e atrasos não justificados podem, e serão, debitados.


Conclusão

Em resumo, agora que você tem uma boa ideia de como é o cálculo salário líquido. Portanto, poderá ter uma noção bem atualizada, na medida de seus ganhos e custos surgem, sem precisar depender de um aplicativo ou de alguém para fazê-lo por você.


Escrito por Rodrigo Carvalho

Publicitário e Redator que gosta de escrever sobre tudo.