in

Marrocos perdoa jornalista Hajar Raissouni preso por acusações de aborto

Um jornalista marroquino condenado a um ano de prisão por sexo antes do casamento e tendo feito um aborto foi perdoado pelo rei Mohammed VI, disseram autoridades.

O Ministério da Justiça disse que a intervenção do rei no caso de alto perfil foi “um ato de compaixão e misericórdia”.

A jornalista Hajar Raissouni, 28 anos, fez um sinal de vitória ao deixar a prisão na quarta-feira junto com o noivo, que também foi perdoado.

Ativistas dizem que seu caso é parte de uma repressão a repórteres independentes.

Sexo antes do casamento e abortos são ilegais no Marrocos.

Raissouni trabalha para o diário Akhbar Al-Yaoum, um jornal crítico das autoridades.

Ela estava com seu noivo sudanês quando eles deixaram a clínica de um ginecologista na capital Rabat em agosto. Ela negou todas as acusações, dizendo que procurou tratamento para sangramento interno.

Raissouni, que mais tarde denunciou o caso contra ela como um “julgamento político”, foi condenada em setembro.

A promotora do caso disse que as circunstâncias da prisão do jornalista não tinham nada a ver com seu trabalho como jornalista, e que a clínica que ela visitou estava sob vigilância policial sob suspeita de abortos ilegais.

O tribunal condenou o noivo a um ano de prisão e o médico a dois anos. O assistente do médico e uma enfermeira da clínica também foram considerados culpados, mas receberam sentenças suspensas.

Escritor por [email protected]

Equipe de redatores do Jornal Útil. Análise de qualidade e relevâncias dos temas que são postados em nosso site.